Processo privatizador da Linha do Sado ameaça parque oficinal da EMEF no Barreiro (24.05.2010)

Ir em baixo

26052010

Mensagem 

Processo privatizador da Linha do Sado ameaça parque oficinal da EMEF no Barreiro (24.05.2010)




Comissões de Utentes, Sindicatos e Autarquias do Distrito de Setúbal
Processo privatizador da Linha do Sado ameaça parque oficinal da EMEF no Barreiro


Comissões de Utentes, Sindicatos e Autarquias do Distrito de Setúbal
Processo privatizador da Linha do Sado ameaça parque oficinal da EMEF no Barreiro«Na senda do processo privatizador que tem em mira a Linha do Sado, está também ameaçado o parque oficinal da EMEF, no Barreiro, o qual, dotado de pessoal especializado capaz de dar resposta a uma nova realidade e as novas necessidades do material circulante eléctrico, tem-se mantido sob o ónus da indefinição quanto às reais intenções do governo em dotar a região das infraestruturas estratégicas para um desenvolvimento sustentado. À conta do PEC, foi suspensa a compra de novo material circulante para a Linha do Sado, que tanta falta faz.» - refere um comunicado subscrito por Comissões de Utentes, Sindicatos e Autarqiuas do Distrito de Setúbal.

Divulgamos o texto integral do comunicado que recebemos na nossa redacção, com as conclusões do Encontro das Comissões de Utentes de Transportes e União de Sindicatos de Setúbal:

EM DEFESA DO SECTOR PUBLICO FERROVIÁRIO!
NÃO À PRIVATIZAÇÃO DA LINHA DO SADO!!

A ofensiva privatizadora de longa duração dos sectores básicos da economia nacional e dos serviços públicos - trave mestra do processo de recuperação capitalista - procura agora, com o assim chamado “Programa de Estabilidade e Crescimento” (PEC), novos alvos, em particular nas linhas ferroviárias suburbanas da Área Metropolitana de Lisboa.
A alteração de estatutos da CP e a correspondente permissão da entrega da CP Carga ao sector privado foram apenas o culminar, num tempo mais recente, dos desígnios a que não escaparam a própria exploração do transporte de passageiros e mercadorias – de que, no primeiro caso, a oferta directa da exploração da linha ligando Lisboa a Setúbal pela travessia do Tejo à Fertagus foi o prenúncio. Enquanto a CP se viu inibida de concorrer à prestação daquele serviço, a Fertagus, empresa privada, não só pratica preços que rondam o dobro dos da empresa pública, como ainda é favorecida por uma política de indemnizações e compensações caso os seus lucros não atinjam metas pré-estabelecidas, sempre em detrimento do bolso dos cidadãos, prejudicando gravemente a economia nacional.
Na senda do processo privatizador que tem em mira a Linha do Sado, está também ameaçado o parque oficinal da EMEF, no Barreiro, o qual, dotado de pessoal especializado capaz de dar resposta a uma nova realidade e as novas necessidades do material circulante eléctrico, tem-se mantido sob o ónus da indefinição quanto às reais intenções do governo em dotar a região das infraestruturas estratégicas para um desenvolvimento sustentado. À conta do PEC, foi suspensa a compra de novo material circulante para a Linha do Sado, que tanta falta faz.
A modernização e a electrificação da Linha do Sado ficaram a dever-se no essencial à luta dos utentes, dos trabalhadores e do Poder Local democrático da Península de Setúbal, apesar de em declarações do Ministério das Obras Públicas e dos Transportes e da própria REFER estas chegaram a estar dependentes dos estudos sobre a terceira travessia do Tejo e da viabilização do TGV, que não podem ser postas em causa pelo que representam para o desenvolvimento económico, assim como para a criação de emprego. Persistem no entanto insuficiências e anomalias, de entre as quais se destacam a ausência de máquinas automáticas em cada um dos cais de embarque, as avarias e ausência de funcionamento regular de elevadores, inexistência de informação preventiva em muitos destes casos, e a falta de estacionamento automóvel dissuador.
É neste quadro da luta em defesa de um forte sector público, potenciando as ligações entre os transportes ferroviários e o próprio Metro Sul do Tejo, rodoviários e fluviais, que ganha maior pertinência a questão da futura exploração da linha Lisboa-Setúbal hoje ocupada pela Fertagus, uma vez que se esgota, em termos de contrato, o tempo privilegiado com que esta foi escandalosamente contemplada. Assim, exige-se o fim da concessão desta linha aos privados.
Populações, utentes e trabalhadores, os seus movimentos e organizações, Autarquias Locais e outras instituições democráticas, uma vez mais reafirmam a sua recusa da política de privatizações de sectores imprescindíveis à defesa da soberania nacional, do progresso e desenvolvimento do país, da qualidade de vida e direitos de quem trabalha. Recusam uma política de direita ditada pelos interesses dos grandes monopólios e pela submissão à estratégia da União Europeia. Reafirmam a sua determinação e empenhamento na defesa da Constituição da República, bandeira da legalidade democrática, e apelam à participação de um dia de acção regional em defesa da Linha do Sado como serviço público, no próximo dia 8 de Junho.


Pinhal Novo, 21 de Maio de 2010


Autarquias Locais
Comissão de Utentes da Linha do Sado
Comissão de Utentes dos Transportes Margem Sul doTejo
Sindicato Nacional dos Trabalhadores Ferroviários
União dos Sindicatos de Setúbal

In: http://www.rostos.pt/inicio2.asp?cronica=23711&mostra=2

_________________________________
avatar
SMTCB-Fórum
Fórum Admin

Mensagens : 1550
Registado : 14/02/2008

http://www.smtcb-forum.net

Voltar ao Topo Ir em baixo

Compartilhar este artigo em: diggdeliciousredditstumbleuponslashdotyahoogooglelive

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum